A Mala para a maternidade

Aqui está um tema que desperta sempre grande curiosidade e sentido de prontidão, perante um grupo de grávidas ou mães.

Assim que a barriga começa a ganhar uma certa forma (assim para o notar-se bem) vem a pergunta “já preparaste a mala para a maternidade?”, como se disso dependesse a “vida” da mãe e do bebé e a capacidade de o receber neste mundo.

Tenho 3 histórias para contar, pela minha “larga experiência” de mãe, prestes a entrar para o clube das famílias numerosas. 🙂

Férias grandes

Há muitos, muitos anos que eu não “reconhecia” o conceito de férias grandes… Pertence a um tempo, que já lá vai, do tempo da escola, da faculdade.

Aproveitar tanto o tempo sem nada para fazer, que até aborrecia… Quando voltamos para a escola? Quando vamos ver os nossos amigos outra vez? Quando volto a ter uma rotina mais ocupada?

E vão dois…

O primeiro foi mais fácil, um pouco como um primeiro filho: parece que vai ser muito difícil e quando damos por nós já estamos a planear a festa do 1º aniversário.

O segundo mais duro… se bem que acho que a minha vida teve um conjunto de mudanças em modo cocktail que não ajudaram à festa: é o que acontece com um segundo filho. Pensamos que já sabemos tudo, mas sai diferente e em vez de 2 adultos a dar atenção a 1 criaturinha, passamos a ter de distribuir essa atenção por outra. Com necessidades diferentes, com hábitos e feitios distintos.

Mas tudo passa a correr e quando damos por nós já estamos a fechar mais um ciclo.

Assim se passou mais um ano d’O que faço amanhã para o pequeno almoço. Pode não ter tido direito a bolo (até porque não estavamos de férias), nem direito a ser lembrado no dia, mas é um ano que ficou marcado pela edição de algumas receitas em papel. E é tão bom ter livros em papel.

O blog, as partilhas tomaram forma e foram ocupar prateleiras por esses lares…

Para o próximo ano duplo desafio: é o não há duas sem três a duplicar. Vamos ver o que conseguimos fazer.

Apenas posso garantir que o farei de coração.

Não há duas sem três!

Um dos ditados mais utilizados e mais certos, por sinal.

Aqui por casa foi assim: não há duas Ms sem um terceiro M. Ainda no forno, em lume brando porque já se estava a esticar. Numa fornada que deverá chegar no final do verão.

Este M (sim, baby boy) como notícia fresca de início de ano foi uma grande ajuda para desfocar, quer na alimentação, quer na atenção dada ao “outro filho”, o blog.

Uma desgraça. Já com as Ms foi assim: sem vómitos, sem enjoos e com uma vontade enorme de comer porcarias (à base de farinha e massas) e entrar no campeonato da engorda bem cedo!

Já entrei nos eixos mas vamos ver como termina a “competição” desta vez!