O nosso 4(o)

O filho do meio. Aquele que sempre ouvimos dizer que “está entalado”. Tem de se desenrascar sozinho. Não teve existência só dele e viu “roubada” a atenção de mais novo.

A minha (e sempre será assim) baby M do alto dos seus 4 anos já diz “mamã, em vez do meio posso ser da ponta?”. Percebe o que “perdeu” ainda que valorize muito o que ganhou.

Personalidade vincada, meiga “cheia de mel”, tanto grita e insiste no vestido de verão em pleno inverno (e sim, dou-lhe a vitória) como se derrete em beijos nos pais, no irmão e (tenta mas a outra não é muito dada a beijos) na irmã.

Este ano seguimos as duas com o 4.

O teu 4o aniversário. Deixaste de ser uma bebé/toddler e tens conversas tão crescidas!

O meu 40o aniversário. Não sei bem o que deixei de ser, porque quando era miúda pessoas com 40 eram velhas. E não me sinto velha. Sinto-me na minha melhor forma. Física. E mental. Aceitar o que é. Aprender a lidar com emoções sem fazer um filme digno de telenovela mexicana. E isso ganhei com a idade.

Que este que ainda está doido pela doideira do anterior, nos deixe aproveitar o presente. E simplesmente estar.

fevereiro

Fevereiro é aquele mês que por si só é especial: pode ter mais um dia de quando em quando, mas nunca chega aos 30/31 como os outros meses do ano.

Podemos olhar para ele como o “filho do meio”, sempre entalado e com as sobras. Podemos olhar para ele como o eterno jovem que não chega aos 30 :).

Aqui em casa fevereiro é muito especial. Um mês mais curto e com tanta celebração.

O aniversário do André, o meu aniversário. O nosso aniversário (e desde o dia 1 que dispensámos o dia dos namorados, já era festejo a mais!). O aniversário de uma das minhas melhores amigas.

O mês em que engravidei da big M. O mês em que soube que estava grávida do Baby Boy M.

Há um ano decidi que devia celebrar com amigos. Duas semanas depois confinávamos. 2021 era O ano dos mega festejos. Os meus 40. Os 40 da R. Tudo em fevereiro. Mas o mundo deu uma volta e teremos de adiar os planos, que afinal nem chegaram a florescer por terem sido postos de lado com tanta antecedência.

Como todos temos procurado reinventar-nos, vou reinventar os festejos com mais novidades durante o mês de fevereiro.

Continuem por aqui e fiquem atentos.

Parabéns a mim, que sou mãe

Fizeste de mim Mãe. Ainda que goste de todos e todos sejam meus filhos tu, big M, fizeste de mim uma Mãe. Mudaste o meu mundo para sempre.

Ensinaste-me o que é o amor incondicional, o que é pensar no outro antes de pensar em nós, sair de casa sem sequer ter olhado ao espelho, andar com roupa “suja” (bolsados que agora voltei a ter 😅) e não me importar.

E passaram 6 anos. Mas como? Para onde foi o tempo? Como assim em vez de dois agora somos cinco?

Continua a crescer feliz. Com caracóis. E a gostar MUITO de cozinhar com a tua mamã.

São os nossos momentos.

A Mala para a maternidade

Aqui está um tema que desperta sempre grande curiosidade e sentido de prontidão, perante um grupo de grávidas ou mães.

Assim que a barriga começa a ganhar uma certa forma (assim para o notar-se bem) vem a pergunta “já preparaste a mala para a maternidade?”, como se disso dependesse a “vida” da mãe e do bebé e a capacidade de o receber neste mundo.

Tenho 3 histórias para contar, pela minha “larga experiência” de mãe, prestes a entrar para o clube das famílias numerosas. 🙂