O que come o meu bebé?

Hoje escrevo sobre um tema que me é muito “querido”: introdução alimentar dos nossos bebés.

Sem qualquer pretensão de especialista, que não o sou, mas com o objetivo de desmistificar crenças de que o BLW “dá mais trabalho”, “precisa de muito planeamento”, “ui… só os cortes dos alimentos… nem digo nada!” do que o método tradicional.

Para mim não poderia ser mais ao contrário.

Já no tempo da baby M tive oportunidade de escrever aqui sobre isso. O BLW foi um salvador de tempo, um facilitador de rotinas e um descanso na hora de preparar refeições.

E porquê?

Porque a família come toda igual. Só precisamos de pensar num prato e cozinhar.

Bem sei que é aqui que está o busílis da questão. Infelizmente em muitas e muitas famílias as refeições e escolhas alimentares não são as mais adequadas para a família, menos ainda para um bebé. E todos os pais procuram não dar açúcar, sal, blá blá no primeiro/segundo ano de vida. Como se todos os outros que se seguem deixassem de ser importantes para a nossa constituição, para a informação que damos às nossas células… para a nossa saúde.

Parece difícil? Mas não é. É sim uma excelente oportunidade para mudar os hábitos (se necessário) de TODA a família. É como que um dois é um com um prémio extra de mais saúde para todos. 🙂

O primeiro passo é fazer uma avaliação de tudo o que têm em casa e não dariam ao vosso bebé. Salvo raras exceções é colocar no lixo. 😉 Vejam o que escrevi aqui.

O segundo passo é planear. A chave para que uma semana de refeições completas, variadas e nutritivas corra bem é o planeamento. Ter um inventário do que há em casa, perceber que ingredientes precisamos comprar e conseguir fechar uma ementa.

O terceiro passo é ao cozinhar cortar o sal na confecção e adicionar no próprio prato. Escolher outras ervas que possam aromatizar e dar mais sabor.

Sobre como apresentar alimentos e preparar os cortes e afins sugiro que espreitem as partilhas que faço no instagram ou, para quem estiver interessado em começar, que procure ajuda de especialistas (falem com a Maria ;)).

Bolo com sabor a Frozen

Para o aniversário da baby M perguntei de que sabor queria o bolo. A resposta foi Frozen. Para a escola da Ana. Para casa da Elsa…

A irmã ainda a tentou convencer com chocolate… mas manteve-se fiel ao sabor “Frozen”.

Esta mãe puxou pela cabeça e pensou: vamos tentar algo para o azul… com cobertura branca!?

Bolo verde da baby M

Verdade seja dita que o aniversário da baby M já lá vai há um bom par de meses. E esta lista de ingredientes ficou aqui… em rascunho à espera que alguém a transforma-se numa coisa partilhável, numa receita.

Já voltámos a fazer o bolo e foi sempre um sucesso. Mesmo no dia da festa todos comeram.

Este ano optámos por fazer uma festa em modo brunch. Bem chique hein?

Sendo o 2º aniversário não há “amigos” da escola para convidar. Nem “amigos” do parque. Os seus amigos acabam por ser os amigos dos pais e da mana. E a verdade é que este grupo tão especial gosta de brunch. E gostou deste brunch (prometo que vou repetir um destes dias!).

Ingredientes:

  • 185 gr de courgette ralada
  • 150 gr de tâmaras Medjool
  • 1 ovo inteiro
  • 100 gr de óleo de côco
  • 200 gr de farinha de amêndoa
  • 1/2 colher de chá de sal
  • 1/2 colher de chá de bicarbonato de sódio
  • 1 colher de chá de canela em pó
  • 2 colheres de chá de raspa de limão
  • Decoração: côco ralado tingido com sumo de espinafres, cubos de côco e animais da Quinta!

Preparação:

Aquecer o forno a 180C.

Juntar todos os ingredientes e colocar numa forma previamente untada.

Levar ao forno cerca de 40-45 minutos.

No caso deste bolo especial (com direito a decoração), “tingi” o côco ralado com espinafres, coloquei cubos de côco e uns animais bem catitas da Tiger.